Pular para o conteúdo

Arquivo de

beatles lucy in the sky with dimonds

O que não pode a nossa mente?

Anúncios

Depressão 2 – clausura

Photobucket

É um quadro que não se sabe por onde começar, qualquer princípio é o fim.

Estômago

Dica do Gato: o filme Estômago, de Marcos Jorge. Vale a atuação de João Miguel que sustenta o filme, nunca imaginei que ele desse para o humor! Ironia da mais fina. Gostaria de destacar também a moça acima Fabiula Nascimento, que também dá um show.

Dalí Atômico

small

Foto de Phillipe Halsman com Salvador Dalí dos anos 1940, sem nenhuma montagem, nem truques, apenas paciência e inúmeras tentativas. Ganha o Gato de Ouro.

Oh!

small

Tem coisas que não se dizem nem para si mesmo, no escuro do quarto, debaixo dos lençóis, tipo: “minha mãe é uma Górgona”, “meu pai o hipopótamo do Machado”. Não, não se dizem coisas. As implicações podem ser muitas, só restar você na casa verde, darem-lhe uma passagem para visitar o seu primo, o homem-elefante. Perceberem um estranho parentesco seu com a mulher-gorila, quando você queria mesmo ser a cat woman. Neste mundo é melhor calar ou dar um tiro na cara de meio mundo, inclusive de si próprio. Com aquelas armas cheias de água ,é claro, de circo, para palhaço, porque o que não falta é palhaço. Por que tanta agressividade? Sei lá eu, acho que foram meus pais: um tigre de bengala e uma batata baroa. Como me fizeram eu não sei, mas fizeram.

A brincante Maria Eugênia

small

Para a idade que o Gato tem se pode dizer que ele acompanha com significativa assiduidade as artimanhas criativas de Antônio Nóbrega e sua esposa Rosane Almeida; muitos foram os espetáculos e agora este último: Passo. Um espetáculo de dança, exclusivamente,  que tem concepção, direção e participação de Nóbrega. Eetretanto, na arena o foc na esta nele, mas em seus bailarinos, entre eles sua filha Maria Eugênia Nóbrega.

Este post é apenas para reafirmar o que já tem sido dito por aí: Maria Eugênia é um talento só, um prazer imenso ver seu solo no palco e seu crescimento. Fico besta que nem tia. É Gato, Gato velho…

TODAS AS LOAS A MARIA EUGÊNIA, quero vê-la muitas e muitas vezes no palco, com as mais diferentes companhias. :)))

Photobucket

Circunvagueando

small
© Eduardo Muylaert “Bellatin na veia”

E vamos lá. O Circunvago, ontem, dia 3/04 saiu do forno para a mão dos 13 autores e do grande público. Belezinha. Não há como criar um xodó com o dito, as dores do parto já eram.
Boníssima sacada a do muy refinado e irônico Eduardo Muylaert que na falta da presença de Mario Bellatin no lançamento, criou um carimbo em que se lia ” Oficina Bellatin – Produto Garantido”. O selo foi um sucesso só, pois além de Bellatin não estar presente, o que é absolutamente compreensível, o autor mexicano julgou que seria inadequada sua palavra no livro, seja nas orelhas, seja num intróito, por uma série de questões estético-ético-filosóficas e artíticas. Levamos na boa sua posição e acatamos, pois ele considera que seria descortês ele promover um trabalho próprio, se auto-prefaciar. Para o pathos brasileiro não foi uma notícia tão bem recebida, mas tem lá sua dose de cabimento. O importante é que a questão da necessidade ou não da autoria continua acesa e as belezas e pendengas em torno do assunto renderão belos projetos como este e mais e mais livros. E espero que belos autores.

Contente fiquei com a pequena pala de Claudinei Vieira em seu Desconcertos sobre o livro. Além do blog, há o fotoblog e a massa interessada no lançamento pode xeretá-lo também.

O Gato não pode ser abster deste furo de reportagem, no lançamento estava presente o ilustre Jardineiro André Feliciano que, pela primeira vez em sua vida de artista, fez propaganda de um produto que não fosse Florescentista, eis a prova:

smaller
By Gato

E outro furo foi a presença do pai do Gato no acontecimento.

smaller
by Dênio Maués

Adriana Falcão & Alice Ruiz

smaller
© Eduardo Muylaert

Levantemos a poeira do Gato. Dia 2/04 ele esteve presente, babão, na platéia, em mais uma série de debates que ocorrem dentro das oficinas literárias de Marcelino Freire no Centro Cultural O b_arco. O encontro? Entre Alice Ruiz e Adriana Falcão, as moças ficaram muito à vontade e o público idem. Mais uma vez loas e guizos e palmas à verve perguntadora e “sinta-se em casa” de Marcelino.
Grandes toques, profundezas ali, bom ouvir a importância de Itamar Assunção na crianção musical de Alice,; bom ouvir também sobre as inseguranças de Falcão e o quanto ela sente-se à vontade criando os diálogos dos roteiros dos quais participa. Sempre que eu encontro vozes que não necessariamente contam histórias, mas escrevem, isto ou aquilo, ainda que com medo, mas em frente e avante!, sinto-me apaziguada.
Duas mulheres encantadoras, de fato. E o mais bonito foi presenciar que para ambas foi um grande encontro. Via-se que as duas se encantaram com as coincidências e proximidades de suas vidas, ambas mulheres, mães, criadoras, casadas com maridos do mesmo meio, atentas às filhas, ao ofício, ex-redatoras de publicidade hoje libertas e por aí vão as similaridades, sincronicidades e o que mais Deus quiser. Não sei quem saiu ganhando, acho que todos, elas e nós.

Mosca na vidraça

Photobucket

A mosca chapada na vidraça divisa uma chuva que não chega, que não molha, que dividida em milhares de pingos se disfarça em torrente. Mas não me comove e me pergunta por que não me toca. Não sei, parei se sentir, talvez tenha sido o seu sorriso, aquela garoa que parecia um trocado, um fim de festa, tenha me feito assim. Não gosto de chuva pouca, também não gosto de chuva que finge ser. Não gosto de acordar de manhã e sentir São Paulo úmida e o ar ainda seco, as narinas duras. Eu gosto da chuva que derruba as árvores que enxágua as ventas, que não pergunta e não tem desculpas. Daquela que desaba, da que se vê nos filmes e da que se lê. A chuva não me toca mais, quiçá porque a vida já não me diz muito, canhestra garoa sobre guarda-chuva. Objeto que, aliás, já não cumpre mais sua razão de ser, se esfacela a cada pingo, feito dez reais que se diluem numa cusparada. Sim, talvez eu ainda sinta algo, as coisas que não são ainda me enojam. A mosca chapada na vidraça era tudo que eu queria dizer.

写真…emma-zo (もぐといっしょ。)

Gakken 学習研究社
『うちの猫のキモチがわかる本 Vol.13』 内より抜粋

small
small

写真…emma-zo (もぐといっしょ。)

Não entendi nada, mas achei lindo; deste site aqui: http://cat-photographers.com/